No âmbito das atividades alusivas à comemoração do dia do Professor Cabo-verdiano, que se assinala no próximo 23 de abril, o Sindicato de Professores da Ilha de Santiago – SIPROFIS organizou a aludida conferência, sob o lema “o sindicalismo docente e o progresso da educação em Cabo Verde”.

Durante o ato que decorreu neste sábado, 21, na cidade de Calheta, palco central das comemorações deste ano, o Presidente da CMSM sublinhou o trabalho dos professores e dos sindicatos e exortou os professores a marcarem a diferença apostando na qualidade. “No início estão as pessoas, e no fim estão as pessoas. Quem não vive para servir, não serve para viver” e abriu, desta forma, o espaço para partilhas, apresentações e discussão sobre os temas propostos.

O primeiro painel, intitulado a educação contemporânea, teve como um dos oradores o sociólogo Henrique Varela, que falou do professor que se quer para a sociedade contemporânea. Diz ele, é aquele que tem a capacidade de fazer o acolhimento, a proteção, a programação para chegar a integração, é sobretudo, aquele que inspira o aluno.

Já o conferencista português, Alfredo Soares Pereira, versou a urgência da educação das energias renováveis em África. Enfatizou as vantagens de utilizar os recursos que a natureza nos oferece, na certeza de que isso aumentará a qualidade de vida em Cabo Verde.

A Ministra da Educação, por sua vez, teve a responsabilidade de abordar os desafios da educação para a classe docente. Desafio esse que, no entender de Maritza Rosabal, já começou com as mudanças e novidades implementadas no sistema educativo, com a tónica no alargamento da escolaridade obrigatória, a inserção das línguas estrangeiras no Ensino Básico e a aposta nas TIC´s.

Já o 2º painel, intitulado o sindicalismo docente da CPLE-SE, incidiu na partilha de experiências sindicais de Cabo Verde, Brasil e Portugal, com os dirigentes sindicais dos respetivos países a abordar o assunto.