Ir à comunidade, interagir com a população e auscultar os seus problemas é o principal propósito desta sessão de Câmara Aberta que, por outro lado, facilita a vida dos munícipes que moram mais distantes do centro da cidade, ganhando muito mais, tendo o Presidente ali na comunidade para abertamente ouvir as suas preocupações.

Fazendo jus ao encontro, os residentes aproveitaram a sessão para exporem as suas preocupações que se prendem com as situações habitacionais das famílias locais, problemas de casas de banho, a condição de acesso ao cemitério, bem como a necessidade de restauração do mesmo.

Problemas previamente identificados e de resolução prioritária na agenda da Câmara. Recordando que a localidade beneficiou recentemente de 176 casas de banho, Herménio (Meno) Fernandes, falou dos projetos e ações para a melhoria da qualidade de vida das pessoas da ribeira de São Miguel.

Além da melhoria na estrada de acesso ao cemitério que está em curso que vai culminar com intervenções no próprio cemitério, o edil anunciou para breve a eletrificação de Cutelo Gomes, a construção da estrada da albufeira da barragem de flamengos a Cutelo Gomes, a reabilitação do jardim de Casa Branca para transformá-lo num Centro de intervenção Comunitária, com internet banda larga, Mini- biblioteca para servir os jovens e a comunidade, intervenções nas habitações e brevemente a instalação da delegação municipal da Ribeira de São Miguel.

O objetivo foi capacitá-los em matéria da busca ativa de emprego e o autoemprego, para promover a empregabilidade, facilitando assim a entrada no mercado do trabalho.

Trata-se de uma iniciativa do Centro de Emprego e Formação Profissional de Santa Cruz em parceria com a Câmara Municipal de São Miguel através do Pelouro da Formação, Empreendedorismo, Emprego e Género.

A oficina que decorreu entre os dias 24 e 28 de abril, no espaço jovem de Achada Portinho, teve como formadores a Técnica do CEFP Elizandra Garcia e o Professor Alcides Miranda que discorreram sobre o trabalho assalariado e autoemprego.

A primeira edição de “São Miguel a Correr”, levada a cabo neste 1º de maio, conseguiu arrastar mais de 70 atletas, entre júnior e sénior, das diferentes localidades do município.

Entre subidas e descidas da igreja da ribeira de São Miguel à cidade de Calheta para os mais graúdos, e de Pilão Cão à cidade para os mais pequenos, rapazes e meninas não sentiram o sol ardente que se fazia e em menos de 45 min, todos já tinham cortado a meta, com exceção de alguns que desistiram pelo caminho.

Numa competição bastante renhida, importa destacar o empenho e entusiasmo na cara dos participantes, particularmente aqueles que ainda sem chance de alcançar o pódio fizeram questão cialis : generiques de cortar a meta. De facto São Miguel é um viveiro de atletas.

A intenção é fazer deste evento um marco anual na agenda de comemoração do 1º de Maio, garante Natalino Tavares, vereador para área da Juventude, Cultura e Desporto, agradecendo a imprescindível parceria com a escola de atletismo JAK (Jovens Atletas de Kadjeta), na realização deste evento.

Confira o pódio:
Sénior Masculino - 1º Rui Almeida (São Miguel); 2º Daniel Monteiro (Calheta) e Nelson Furtado (Espinho Branco);
Sénior Feminino – 1º Mayra Moreira (Calheta); 2º Melissa Lopes (Calheta) e Carla Tavares (R.São Miguel);
Júnior Masculino – 1º Osvaldino Miranda (Calheta); 2º Hélder Martins (Calheta) e Evandro Tavares (R.São Miguel);
Júnior Feminino – 1º Adelça Tavares (Calheta); 2º Simone Miranda (Calheta) e Sofia Pereira (Espinho Branco).

O lançamento do projeto “Aproveitamento dos recursos naturais (solo e água) sua valorização e integração no setor do agronegócio como fator de desenvolvimento local de Aguadinha” aconteceu no início da tarde de hoje, na localidade de Aguadinha, Ribeira de São Miguel.

O projeto que vem beneficiando a comunidade com a criação de 77 postos de trabalho, sendo que 46 são mulheres chefes de família, contempla a construção do reservatório para a rega gota a gota para irrigação de hortaliças, construção de 2 mil metros de arretos para conservação do solo, e ainda, produção e fixação de 2 mil plantas fruteiras e sementeira de 50 litros de congo.

Trata-se de um projeto da Associação para o Desenvolvimento Comunitário de Aguadinha em parceria com o Parque Natural de Serra Malagueta, Delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente de São Miguel/Tarrafal e Câmara Municipal de São Miguel, financiado no âmbito do programa das Nações Unidas GEF – SGP – programa de pequenas subvenções, no valor de 30 mil dólares.

O Vereador pela área do Desenvolvimento Rural e Fiscalização, Salvador Cruz, e o Delegado do MAA São Miguel/Tarrafal, sublinharam a importância do projeto que vai beneficiar diretamente a comunidade e garantir postos de trabalho às famílias durante um período de, no mínimo, 3 meses.