Veja aqui a entrevista de Herménio Fernandes.

No quadro das visitas que este diplomata vem efetuando aos municípios do país, hoje, o Sr. Embaixador Donald L. Heflin foi recebido pelo autarca micaelense, Herménio Fernandes, que lhe deu a conhecer o estado do desenvolvimento do município e os desafios que as famílias vêm enfrentando devido ao mau ano agrícola.

Fernandes expôs ao Sr. Embaixador os programas e investimentos em curso para a infraestruturação do município, bem como as principais medidas e ações para garantir o rendimento das famílias e reduzir o impacto do mau ano agrícola. Nesta linha, apresentou ao Sr. Embaixador um conjunto de projetos ligados à pesca, agricultura, turismo e educação, no qual deseja poder contar com o engajamento da embaixada.

Seguiu-se a visita às obras de Extensão e Melhoria do Sistema de Abastecimento de Água, financiadas pelo Millenium Challenge Account Cabo Verde II, que se encontra na sua fase final, faltando a ligação à energia elétrica para, dentro em breve, resolver definitivamente a penúria de água nas localidades de Pilão Cão, Mato Correira, Achada Espinho Branco e Espinho Branco.

A visita terminou com a inauguração do Projeto RABELARTI, na comunidade dos rabelados em Espinho Branco, visando o melhoramento das condições daquela comunidade para a promoção do Turismo Rural.

O dia da Mulher Cabo-verdiana em São Miguel ficou marcado pelo lançamento do Projeto de Inclusão Socioeconómica e Desenvolvimento da Ribeira de São Miguel. Um projeto de produção de produtos agrícolas e hortícolas, voltado para as mulheres, que visa aumentar o rendimento das famílias, criando oportunidades de emprego e empregabilidade no meio rural e melhorar a qualidade de vida da população.

“Este é o caminho. É por esta via que vamos reduzir a pobreza no município e criar as condições para que as famílias não fiquem na total dependência de um bom ano agrícola. Sabemos que a chuva nem sempre é tão amiga como se deseja, por isso, temos que criar as condições para que as famílias garantam o rendimento, mesmo nas condições mais adversas, como aconteceu este ano”. Enfatizou o edil, Herménio Fernandes, durante o ato de lançamento do projeto.

Fernandes está convicto do impacto que este projeto vai ter na vida das famílias da Ribeira de São Miguel, na autonomia e empoderamento das mulheres. Por isso, é um projeto que já está sendo trabalhado para ser replicado noutras ribeiras.

A Ministra da Família e Inclusão Social, Maritza Rosabal, acredita que este projeto vai transformar a Ribeira de São Miguel e garantir emprego para as mulheres durante os próximos 3 anos. “É isso que nós queremos. Garantir o acesso ao emprego e rendimento às famílias, sobretudo às mulheres, durante o ano todo.” Ressaltou a responsável pela pasta da Família e Inclusão Social.

Orçado em 17 mil contos, o projeto que conta com a envolvência de vários parceiros nacionais e internacionais, prevê ainda criação de uma loja social, uma loja agrícola e uma cooperativa, beneficiando diretamente 49 Mulheres chefes de família e indiretamente outras 557 da Ribeira de São Miguel.

No âmbito da política de incentivo a prática do desporto no concelho, a Câmara Municipal tem apostado fortemente neste setor, mobilizando parcerias nacionais e internacionais para oferecer às escolas, clubes e associações cada vez mais e melhores condições para o desenvolvimento do desporto no concelho.

Neste sentido a edilidade, através da parceria com as ONG´s Luxemburguesas CVED e PSF, conseguiu aumentar o apoio para a presente época desportiva, para 2.100.000$00 (dois milhões e cem mil escudos), sendo que 1.170.000$00 (um milhão, cento e setenta mil escudos) corresponde ao subsídio financeiro e o restante em materiais.

Foram um total de 18 grupos beneficiados, entre escolas de formação, associações de atletismo, ciclismo e de dança que também foi incluída e clubes de futebol, andebol e basquetebol. Todos os grupos receberam Kits de materiais completos, constituído por bolas, coletes, cones, pratos, uniformes, ténis, legs, bicicleta, entre outros, distribuídos de acordo com a modalidade.


Os clubes em competição nacional receberam ainda um subsídio financeiro, sendo 150 mil escudos para cada um dos três clubes de futebol que estão na primeira divisão (AJAC, Flor Jovem e Desportivo) e 100 mil escudos, para os de 2ª divisão (Escola Esperança, ADEC e Associação Filhos de São Miguel Norte). Os dois clubes de andebol (ROCK e Vicentinos de Flamengos) e a equipa de basquetebol receberam 100 mil escudos cada e a Associação de Atletismo JAK (Jovens Atletas de Kadjeta) o valor de 120 mil escudos.

O momento serviu ainda para partilhar com todos grupos o regulamento de atribuição de subsídios que tem como principal propósito contribuir para uma melhor organização dos grupos levando-os a planificar e orçamentar as suas atividades e no final apresentar o relatório.